Produtores de conteúdo comigo: não somos robôs

Não dá para utilizar um serviço de forma 100% gratuita e querer ditar as regras. Embora para ser um usuário do LinkedIn você não pague nada por isto, ainda sim, estamos falando de uma empresa.


Entre um comunicado oficial e outro, já foram vários spoilers sobre a lógica do seu algoritmo. E entre um spoiler e outro, quem tiver olhos para ver que veja: missão, visão e valores da empresa, estão diretamente ligados à performance das suas publicações por aqui.


Isso quer dizer que existem boas práticas para uma publicação performar bem e aparecer no feed de outras pessoas? Sim, só não vale tomar isso como regra de bolo e sair por aí engessando o seu conteúdo em busca de likes.


A humanização, enfim, está cada vez mais próxima da tecnologia. De forma simples e leve, hoje eu falo um pouquinho sobre como encontrar a linha tênue entre um bom conteúdo e boas práticas.


Missão do LinkedIn: ajudar as pessoas a serem mais produtivas e bem-sucedidas.


Não seria diferente, pensar que nosso feed e as publicações que vemos todos os dias, estivessem em sintonia com essa regra.


O que eu encontro assim que eu abro o meu LinkedIn? Pessoas que eu conheço, falando sobre coisas que me interessam.


Não tem como ser produtivo e bem sucedido, recebendo uma tonelada de informações genéricas, que não me importam.


Pessoas que eu conheço...


No dia a dia, é natural que possamos discutir assuntos com pessoas em quem conhecemos/temos afinidade, o esforço do mundo online, é reproduzir da forma mais verossímil possível o mundo offline.


A regra vale aqui também, observe bem suas conexões (diga-me com quem tu andas, direi quem tu és). Sair adicionando sem critério nenhum qualquer pessoa que ver pela frente, pode causar uma confusão legal, tanto para quem aceita, quanto quem adiciona.


Certifique-se de se conectar a pessoas com afinidades semelhantes, de forma que a lógica entre os interesses seja coerente. Foco, foco, foco. Com que tipo de pessoas você iniciaria uma conversa no "mundo real"? Persiga essa ideia.


Falando sobre coisas que me interessam...


Como usuários deixamos rastros: histórico de publicações, interações, grupos, hashtags, influenciadores e empresas, que seguimos. Tudo isto é munição para entender sobre o que nos interessa.


Mais um motivo para não sair curtindo qualquer coisa que ver pela frente, seguir qualquer pessoa e participar de qualquer grupo.


Você se sentiria à vontade em conversar sobre um assunto que não tem interesse, com pessoas que não conhece? É dessa humanização que estamos falando. É justamente essa a pegada do algoritmo.


Quer que seu post apareça no feed de outras pessoas? Tem boas práticas, só não tem mágica.


As historinhas motivacionais estão com os dias contados, enchedores de linguiça não passarão.




Beleza, segui todas as dicas e não vi meu post bombar, e agora?


Em primeiro lugar, constância, do dia para noite sua performance não vai mudar.


Em segundo lugar, qual sua referência para um post bombado? Minhas métricas de sucesso vão desde aumentar a conversão dos leitores em leads para minha newsletter, contratos fechados de mentoria inbox, ter um publicação selecionada para o Boletim Diário.


Vale a reflexão: sentar e pensar, "onde eu quero chegar e como posso utilizar o LinkedIn para atingir meus objetivos?".


Não confunda as ferramentas, com as metas.


E quando for usar uma ferramenta, leia o manual.


Se você também é uma Mentes Inquieta, vem comigo para conteúdo reflexivo em primeira mão, você pode se inscrever na minha Newsletter ou entrar no Grupo do LinkedIn, tem sempre conteúdo para te ajudar encontrar sua melhor versão por lá.


Sobre a autora Oi, eu sou a Mari, não gosto dessa coisa de falar sobre mim na terceira pessoa e prefiro contar sobre minhas experiências e sonhos a falar sobre meu currículo profissional. Minha maior ambição é inspirar a produção e consumo de conteúdo criativo no mundo de forma simples e prática, para que as pessoas possam levar a vida com mais humor e tirar velhos planos da gaveta. Fora do meu horário de trabalho, estou sempre escrevendo algumas coisas aqui. Em 2020 comecei oficialmente a ajudar algumas pessoas a fazerem o mesmo, o objetivo: viver plenamente, escrita é também é terapia! Tem dúvidas? Quer acompanhar todas as novidades? Ficar por dentro de todas as ideias? Fala comigo, é só me seguir no LinkedIn, Mariana Rosa.

1 visualização0 comentário