Como investidores inteligentes estão superando perdas financeiras sem pânico na atual crise política



Você já pegou ou emprestou dinheiro a alguém?


A resposta muito provável é que sim, e é a partir deste conceito simples, que hoje eu vou falar sobre o Tesouro Direto e as Lições & Aprendizados do seu péssimo desempenho nas últimas semanas.


Ele é conheido por nada mais, nada mesmo que, segurança e rentabilidade superior a poupança. Nos últimos anos foi um dos top assuntos quando se diz sobre o tema investimentos.


Sua democratização e simplicidade, abriu portas para muitos invetidores iniciantes criarem sua "reseverva de emergência".


O fantasma de Fernando Collor de Mello e o confisco da poupança em 1990, acabou de vez com qualquer possibilidade que alguém possa ter quanto a poupança ser um investimento, o que contribuiu ainda mais para o sucesso e popularidade do título.


Ele funciona como um empréstimo. Desta forma, você pode investir e receber pagamento e juros na data de vencimento definida no momento da compra.


E quando digo democrático, é democrático mesmo, com aproximadamente R$40,00 você já pode começar a dar os primeiros passos.


Os riscos são muito baixos, a fama de segurança vêm do fato de o Banco Federal ser o emissor. Estatísticamente emprestar dinheiro ao governo é muito mais seguro e lucrativo que emprestar a um amigo ou parente por exemplo.


Até aqui um super star dos investimentos certo? A resposta ainda é sim, embora nas últimas semanas, todos estes atributos tão irresistíveis como segurança e rentabilidade, tenham apresentado instabilidade.


Entre os dias 10 e 11 de setembro de 2020, ele começou a render negativo.



Eu entendo pouco do assunto, me segurei para não apertar o botão de resgate no aplicativo, ver o sinal de menos ao lado do patrimônio (que é justamente a reserva de emergência), é beeeem triste. Dentre os tipos de investimentos que você deve ter na sua carteira, este seria justamente o local em que isto não deveria acontecer.


Fato é, eu estava doida para ser uma Maria-Vai-Com-As-Outras e sacar logo todo meu dinheiro, mas a orientação de pessoas muito especiais, me fizeram mudar de ideia.


E longe de querer falar sobre especificidade e termos técnicos no assunto, isto eu deixo para os especialistas, graças a Revolução Industrial eu aprendi: quando você não sabe/entende de um assunto, delegue isto a quem possa te ajudar.


Meu objetivo aqui, é te contar as Lições & Aprendizados que o rendimento negativo do Tesouro Direto me trouxeram nas últimas semanas, tanto para minhas finanças quanto para vida pessoal.


Se você também quer saber, continue a leitura do artigo.


Combinado não sai caro



Neste caso, além de planejamento e expectativas, o combinado envolve dinheiro. E este combinado específico de compra de títulos do Tesouro Direto, só sai caro, se você descumprir sua parte.


Para entender melhor, imagine por exemplo que você emprestou dinheiro a seu melhor amig@, para simplificar, a única cláusula é que a dívida seja paga em 6 meses.


Durante estes 6 meses, você ve este seu amig@ viajando, indo a restaurantes caríssimos, trocando de carro e outras estravagâncias. Bate aquele desespero, se ele será capaz de honrar a dívida.


Todo mundo ao seu redor começa a te falar que você foi ingênuo. E o desespero aumenta tanto, que você decide recuperar seu dinheiro a qualquer custo, pede então a seu amig@ que pague imediatamente, mas como ele já gastou metade, só é possível reaver 50% do valor inicial.


Ignorando as especulações, vamos supor que o seu amig@, fosse pagar 100% da dívida ao final de 6 meses. Isto nos leva a acreditar, que você só perdeu metade do dinheiro, porque se deixou levar pelo desespero e opiniões alheias (é realmente muito tentador).


Mas estamos falando do Governo Federal (independente da sua posição política), ele não é o seu amigo e por mais que você acredite que o Brasil esteja quebrado e passando por dificuldades, ele vai honrar seu compromisso. Se chegarmos ao ponto do país não pagar suas dívidas, pode ter certeza que vamos ter outros problemas mais sérios a se preocupar.


Portanto, não surte no meio do caminho, isto vale para sua vida financeira e pessoal.


Escolha bem seus combinados


Voltando ao exemplo do empréstimo camarada, a ideia é escolher bem seus combinados. Avaliar muito bem as decisões tomadas e analisar os possíveis impactos que possam te trazer.


Para o mercado financeiro, é minunciar muito bem em quais empresas (privadas ou públicas) você vai apostar seu patrimônio. Para vida pessoal, envolvendo ou não dinheiro, minunciar muito bem as cláusulas de qualquer combinado assim como histórico e confiança na outra parte em honrar o mesmo.


É sobre aceitar a responsabilidade, não existem culpados por nada que nos afete, a não ser nós mesmos.


Se você foi enganado, saiba que deixou algum detalhe passar batido.


Não existe não correr riscos



Nem Jimmy Bolha conseguiu viver sem riscos, quem dirá você.


E os gráficos do Tesouro Direto são a prova final. O lugar mais seguro e rentável para uma reserva de emergência, contrariou todas as tendências.


A perda financeira não pode definir o investidor, mas deve ser usada para torná-lo um investidor melhor. Claro, para isso você deve lidar com esta situação corretamente.


Você pode fazer a melhor análise do mundo, ter o aval dos top especialistas e nada disto poderá te trazer garantia de nada. Viver é correr riscos.


O que você não pode, é permitir que as perdas se tornem definidoras.


Conclusão


➡️ Recupere o que perdeu. Estruture melhor seus acordos, financeiros ou pessoais. As negociações futuras devem envolver o aprendizado. O que deu errado precisa ser corrigido, o que deu certo, como melhorar.


➡️Tenha um Plano B. A vida é cheia de surpresas, 2020 é o ano apocalipse prova disto. Apostar todas as fichas em uma única direção, é irresponsabilidade e imprudência. Diversificar os tipos e riscos que vai correr (já que são inevitáveis) é fundamental.


➡️ Não tome decisões de cabeça quente. Lidar com as perdas, financeiras ou qualquer outra, não é fácil. Mas tomar decisões imediatas, principalmente com base na maioria, vão te fazer mais uma Maria-Vai-Com-As-Outras.


Bando de dicas fuleiras e baratas certo?


Mas meu sonho é um dia poder colocar em prática todas essas técnicas fuleiras e baratas. O óbvio é o tempo todo esfregado na nossa cara, mas eu não sei que tipo de fenômeno do além acontece, que deixa a gente cego para as decisões mais simples que deveríamos tomar.


Recuperar o que perdeu, ter um plano B e não tomar decisões de cabeça quente, são dicas simples? Então coloque em prática 🤓


Se você também é uma Mentes Inquieta, vem comigo para conteúdo reflexivo em primeira mão, você pode se inscrever na minha Newsletter ou entrar no Grupo do LinkedIn, tem sempre conteúdo para te ajudar encontrar sua melhor versão por lá



Sobre a autora

Oi, eu sou a Mari, não gosto dessa coisa de falar sobre mim na terceira pessoa e prefiro contar sobre minhas experiências e sonhos a falar sobre meu currículo profissional.

Minha maior ambição é inspirar a produção e consumo de conteúdo criativo no mundo de forma simples e prática, para que as pessoas possam levar a vida com mais humor e tirar velhos planos da gaveta.


Fora do meu horário de trabalho, estou sempre escrevendo algumas coisas aqui. Em 2020 comecei oficialmente a ajudar algumas pessoas a fazerem o mesmo, o objetivo: viver plenamente, escrita é também é terapia!

Tem dúvidas? Quer acompanhar todas as novidades? Ficar por dentro de todas as ideias? Fala comigo, é só me seguir no LinkedIn, Mariana Rosa.

2 visualizações0 comentário